16/07/2010

Fornecedor a Fornecedor: o vestido do Alta Costura Mariá


Durante o ano anterior ao casamento, fui contando do vestido. Em maio de 2009, fechei com a Alta Costura Mariá durante a ExpoNoivas. No segundo semestre, foram vindo as provas: a 1a, a 2a e a 3a. No mês anterior ao casamento, em janeiro de 2010, houve a 4a prova, que não comentei porque saí de lá vencida, sem forças. Só fui falar de novo sobre o vestido quando passei por 3 provas na antevéspera do casamento. Aliás, o termo prova(ção) se aplica bem àquele dia, tanto para mim quanto para as costureiras que ficaram responsáveis pelo meu vestido.


Sim, porque são costureiras que ficam responsáveis por seu vestido, não o estilista. Que eu saiba, isso é verdade em muitos ateliês e não é um problema; é só a forma que as coisas são feitas. Mas enfim, as costureiras, assim como o estilista, pareciam não simpatizar com o meu gosto por detalhes, coisas como um decote em V que termine exatamente entre os seios (e não tronchinho para lá), uma barbatana que não fizesse o peito ficar pontudo que nem a foto clássica da Madonna nos anos 80s, uma mantilha bordada que fosse realmente bordada em todos os pontos que era para ser, um plissado que não fosse diferente em cada lado, uma costura bem acabada, uma grinalda com todas as pedras do mesmo tamanho, uma cauda que não afofasse, etc, etc, etc. Eu sempre me sentia uma aberração em pedir o cuidado que, para mim, era sine qua non, como se eu estivesse sendo exigente demais, chata demais, mimada demais.


E estava sendo. Porque, pro final do processo, eu não queria falar nada, eu só queria chorar como se alguém no parquinho tivesse me tirado a minha bonequinha. E tudo que agitava minhas cordas vocais saía por dentes trincados, de quem administra sempre muito mal a raiva.

Enfim, quem clicar nesses links dos meus relatos de provas de vestido vai acompanhar uma cliente perdendo a paciência. É uma aula de marketing pronta, um estudo de caso pelo reverso da moeda. Houve um tempo em que tentei levar no bom humor, mas, sabe, perdi tanto a paciência, que nem tenho mais vontade de falar nesse meu grande erro.

********
P.S.: Para ser justa, eles consertaram muitos dos defeitinhos que apontei aí, outros não deu tempo e ficou assim mesmo. Eu é que acho que esses defeitos sequer precisavam ser apontados.

4 comentários:

Ju disse...

OI, Nat

é, eu lembro dos seus posts falando... isso é realmente muito chato. Acho que os profissionais que trabalham com o nosso big day, deveriam ter em mente, que tudo neste dia é muito importante para nós. Eles não está lidando com uma festa da repartição ou qq coisa parecida - não que essas festas não mereçam todo o cuidado - mas a questão é o casamento é a realização de um sonho. E sonhos não são tratados desta forma.

Vc esperou que eles tivessem carinho e cuidado com algo que para você era importante. Afinal, se eles trabalham com isso, vc não está errada de querer o melhor, a perfeição.

beijos, ju

Danielle disse...

Natália,
Uma pena que você tenha tido que passar por isso. Realmente me lembro dos seus relatos, dos comentários sobre essas imperfeições e de como era tratada nas provas.
E isso só demonstra mesmo que eles não estão preparados para lidar com sonhos.
Lembro do 1o post que li quando você fechou o contrato que quando estive na exponoivas pensei logo: nossa, tenho que ver os vestidos de lá!
Porém, conforme você foi narrando isso tudo por aqui, risquei logo essa opção (aliás, gostei muito do irmão paulista; o irmão carioca achei-o muito antipático ao me atender).
Mas não sei se consola: quando vemos as suas fotos, da sua alegria ao lado do maridão, não dá para perceber nada disso!
Beijos,
Dani

Danee disse...

Eu lembro dos seus posts falando sobre o caso do vestido, aliás li tanto que no dia do seu casamento eu fiquei olhando e JURO não vi nenhum defeito, vc estava linda! Mas tenho que concordar, vc não deveria ter que apontar erros e se apontasse eles tinham que corrigir pedindo desculpas. Enfim fica a dica para outras noivas.
beijocas e muuuiiiiiiiiiitas saudades.

Silvia disse...

Vamos lá, um dos maiores problemas é que alta costura não existe de verdade no Brasil. O povo adora se vender assim. Segundo, o vestido realmente deveria ter sido trabalhado pelo estilista junto com a modelista, pq quem faz modelagem é modelista e não costureira!!!!! E quem desenhou o vestido é o estilista, então ele é quem tem que falar com o modelista. A costureira entra por final e para um bom bordado ainda tem a bordadeira.

Bem, final de discurso e revolta compartilhada, agora eu fiquei imaginando você de vestido a La Madonna, com os peitos pontudos e toques de "Like a Virgin"! =) Já pensou????

Olha, o vestido pode não ter ficado com todos os detalhes, mas você estava linda e ele estava caindo muito bem. Mesmo para quem ficou sabendo que você estava chateada com o vestido, não dava para perceber onde, viu? E não é papo de puxa saco!

Saudade, qdo vc vem ao Rio?

Beijocas!